PRECONCEITO METÁLICO

DAREI AGORA MEU TESTEMUNHO DE COMO FUI SALVO DO LIMBO PELO DEUS METAL:

ODIN: DEUS NÓRDICOS DO HEAVY METAL
Tive meu primeiro contato com esta SUPREMA OBRA DOS DEUSES quando tinha cerca de 15 anos.

Naquela época o pequeno Tirano era apenas mais uma alma perdida neste mundo desolado, um garoto comum que passava seus dias a frequentar a escola e passar tardes e mais tardes em companhia de seus amigos jogando vídeo-games, comendo porcarias e rindo de bobagens.

Eram bons tempos, mas o pequeno Tirano ao assistir televisão começava a perceber que havia algo errado, principalmente aos fins de semana... Ele percebeu que existiam programas inteiros dedicados a músicas aparentemente inocentes chamadas de FUNK. A coisa se tratava de organizar dezenas de pessoas em um palco dançando e em meio a elas algumas garotas provocantemente mascaradas e com shortinhos minúsculos rebolando ao som de musicas como a "Dança da Motinha" ou então muito antes de inventarem a lei MARIA DA PENHA ironicamente existia o hit "Um Tapinha Não Dói" mas hoje é crime né que foram os protótipos das musicas esculhambadas e imorais que ouvimos hoje por ai e são tidas como sucessos pela grande massa.

ARGUMENTUM AD HOMINEM

QUANDO O EGO CONTROLA A LÍNGUA.

Hoje pretendo falar sobre uma artimanha de argumentação em conversas, debates e discussões que muito me desagrada pela sua infantilidade e falta de respeito, uma falácia chamada "Argumentum Ad Hominem".


Falácia nada mas é do que um tipo de falso argumento utilizado em meio a algum debate, e que muitas vezes por desconhecimento daquele em que ela é aplicada acaba sendo aceita como verdadeira levando os rumos do debate em direções desfavoráveis e/ou falsos em relação ao verdadeiro esclarecimento do assunto em questão.